O atendimento sem preparo das vítimas no local do acidente causa danos às vezes irreversíveis. Isso é mais frequente nos casos de lesão da coluna vertebral, em que o deslocamento de uma vértebra partida pode paralisar a vítima para sempre. Um dos maiores erros é oferecer água aos acidentados. Nenhum tipo de líquido é recomendável.

No curso teórico de legislação aprendemos as técnicas de primeiros socorros. Neste post iremos relembrar, com a ajuda do médico Jorge Mattar, chefe do setor de emergência do Hospital Sírio Libanês de São Paulo, alguns desses procedimentos básicos que podem ser seguidos nos principais tipos de acidente. Confira:

Sufocamento

A pessoa sufocada fica desesperada, não consegue falar e instintivamente leva a mão ao pescoço.

O que fazer:

Abrace a vítima por trás e, com as mãos cerradas na região da boca do estômago, faça uma compressão abdominal brusca. Repita o movimento até quatro vezes.

Fraturas

Pode-se suspeitar de fratura quando a parte atingida fica em desalinho, incha demais e apresenta certa imobilidade e sensação de atrito no local.

O que fazer:

Imobilize a parte fraturada para evitar maiores ferimentos. Não tire a vítima do lugar antes disso. A não ser que ela esteja em local perigoso. Aplique as talas (ripas de madeira ou outro material rígido) com tiras de pano não muito apertadas em quatro pontos, no mínimo.

Pancadas na cabeça

O que fazer:

Se a pessoa estiver inconsciente, deite-a de lado, agasalhada. Afrouxe suas roupas, principalmente a gola da camisa. Havendo hemorragia, faça uma compressa. Sem fazer força, coloque uma atadura e não dê nenhum líquido para beber.

Lesões na coluna vertebral

Mesmo com a sensibilidade normal, pode haver fratura óssea. O cuidado é para não atingir a medula. Grande parte das lesões ocorre na hora do socorro.

O que fazer:

Mantenha a vítima agasalhada e imóvel e não mexa nem permita que ninguém toque nela até a chegada de socorro. O pescoço e a coluna devem estar retos. Observe como ela está respirando. Se for preciso fazer respiração boca a boca, tome cuidado para não estender a coluna cervical, levantando o queixo da vítima.

Queimaduras

O que fazer:

De imediato, coloque a parte afetada sob água corrente. Tire a roupa da vítima com cuidado para não remover a pele grudada nos tecidos. Controle a dor aplicando compressas embebidas em soro fisiológico ou água limpa sobre a área queimada. Cuidado para não contaminar o local. O ideal é não tocar na região atingida. Não utilize pomadas, graxas, unguentos, bicarbonato ou qualquer outra substância sobre a queimadura.

Hemorragias

O sangramento não cessa e precisa ser contido imediatamente.

O que fazer:

A primeira medida é uma pressão firme sobre a ferida, com pano, gaze ou lenço. Faça uma atadura para amarrar a compressa. Caso não disponha de uma compressa, feche a ferida com o dedo ou comprima com a mão. Um cuidado importante é não usar torniquetes, que interrompem a circulação sanguínea, a não ser em caso de amputação. E mesmo assim eles devem ser afrouxados a cada dez minutos.

Estado de choque

A vítima fica total ou parcialmente inconsciente, com a pele fria, suor na testa e na palma das mãos. O rosto se torna pálido, com expressão de ansiedade. Ela sente náuseas e pode vomitar. A respiração fica curta, rápida e irregular e a visão nublada. O pulso se acelera.

O que fazer:

Conserve a pessoa deitada e afrouxe suas roupas. Se possível, eleve as pernas e procure manter a cabeça mais baixa que o tronco. Agasalhe-a e forre a superfície onde ela está deitada, caso esteja úmida ou fria. A vítima inconsciente deve ficar deitada de lado, para não aspirar o vômito.

Ataque cardíaco

Os sintomas começam com uma dor muito forte no peito. Às vezes ela se estende pelos braços, pelo pescoço e pelas costas. O doente fica pálido, transpira, sente enjoo e falta de ar.

O que fazer:

Faça com que a pessoa se deite numa posição confortável. Afrouxe a roupa e agasalhe-a. Para facilitar a recuperação, dê a ela uma aspirina e chame o resgate.

Choques elétricos

O que fazer:

Antes de tocar na vítima, deve-se cortar a energia elétrica de todo o ambiente, desligando a chave geral. Observe a respiração e o pulso. Se preciso, faça respiração boca a boca e massagens no peito. Chame o socorro.

Afogamento

Em caso de parada respiratória, o peito da vítima não se mexe. Os lábios, a língua e as unhas ficam azulados.

O que fazer:

Cheque o pulso. Faça respiração boca a boca o mais rapidamente possível. É importante retirar quanto antes a pessoa da água e agasalhá-la.

 

 

Fonte : http://perimetralseguranca.com.br/blog/nocoes-basicas-sobre-os-primeiros-socorros-para-evitar-danos-piores/

Ligar Agora